slide1

premiosapom

EMYA yelow nominee 2014 23

Visita Virtual

Venha Conhecer-nos!

Rede de Arrojamentos de Cetáceos do Arquipélago da Madeira

R.A.C.A.M.

Rede de Arrojamentos de Cetáceos
do Arquipélago da Madeira
Contactos:
291 961 859 / 924 432 091

 

phone +351 291 961 859 / +351 924 432 091

Em 1991 o Museu de História Natural do Funchal (MMF) inicia o registo de cetáceos que dão à costa mortos ou vivos no Arquipélago da Madeira. Em 1996 o Museu da Baleia da Madeira assume a responsabilidade de efetuar esses registos, estruturando e criando a Rede de Arrojamentos de Cetáceos do Arquipélago da Madeira (R.A.C.A.M.). A recolha de dados referentes aos cetáceos arrojados Cartaz RACAM 291961859passa a ser realizada de forma sistemática e com a realização de exames post-mortem. Esta rede foi mais tarde, em 2008 atualizada e reestruturada no âmbito do projeto EMECETUS.

A RACAM é importante porque:

  • Promove o adequado manuseamento dos cetáceos arrojados, vivos ou mortos;
  • Minimiza os riscos para a segurança e saúde pública;
  • Os animais arrojados são utilizados como fonte de informação científica;
  • Contribui para a Conservação dos cetáceos no Arquipélago da Madeira.
  • Contribui para a sensibilização das populações para a conservação dos cetáceos, e do meio marinho.

O que fazer se encontrar uma baleia ou um golfinho na praia ou a deriva no mar?

1. Caso encontre ou tome conhecimento de um golfinho ou uma baleia morto ou vivo nas nossas praias ou águas, contacte o Museu da Baleia da Madeira através do número 291 961 859 / 924 432 091 (disponível 24 horas por dia, incluído sábados, domingos e feriados).

Pedimos, se possível, que forneça as seguintes informações:

  • Local onde encontrou o animal;
  • Número e tamanho dos animais;
  • Espécies (se souber);
  • Se o animal está vivo ou morto, e o seu estado (se está em decomposição ou não);
  • Estado do mar no local e se a maré está cheia ou a esvaziar;
  • Condições de acesso ao local.

2. Se o animal está morto, não se aproxime demasiado ou toque no animal (pode ser portador de doenças).

3. Se o animal está vivo, não deve:

  • Permanecer muito perto da cauda ou da cabeça;
  • Empurrar ou puxar as barbatanas peitorais, a caudal ou a cabeça;
  • Tapar o espiráculo (orifício de respiração no topo da cabeça);
  • Deixar entrar água ou areia no espiráculo;
  • Aplicar loção solar na pele do animal;
  • Tocar no animal mais do que o necessário.

4. Tire fotos se puder. 

Entidades que já colaboraram com a RACAM:

  • Museu de História Natural do Funchal (MMF);
  • Estação de Biologia Marinha do Funchal;
  • Parque Natural da Madeira;
  • Porto Santo Line;
  • Porto Santo Verde;
  • Laboratório Regional de Veterinária e Segurança Alimentar;
  • Estação de Tratamento de Resíduos Sólidos da Meia Serra;
  • Todas as autarquias do Arquipélago da Madeira;
  • Direcção Regional das Pescas
  • Direcção Regional do Ambiente.